quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Histórias de personagens: Belphegor - o ladino

Belphegor

Em um lugar bem longe, havia um pequeno vilarejo com cinco casas, esse vilarejo se chamava firelaw, lá uma criança chamada Belphegor corria livremente pelas casas, todos o conheciam por sua grande habilidade e destreza.

Sua mãe, chamada Robina um certo dia acompanhada por Belphegor fora a cidade vizinha ao vilarejo para buscar suprimentos, estava tudo bem, ate eles chegarem à saída norte da cidade, por uma mera e triste coincidência eles deram de cara com sete homens, eles capturaram Belphegor e sua mãe para vendê-los como escravos, eles foram amordaçados e colocados em uma carroça.

Apos 30 minutos, toda a população da cidade havia sido morta pelos sete homens, os que não morreram foram colocados na carroça para mais tarde serem vendidos, se passaram três dias dentro da carroça, todos estavam muito fracos, pois não haviam comido nem bebido nada apos serem capturados, durante uma noite todos estavam dormindo, de repente Bel acorda com um grito de dor muito alto, logo algo rasgava o pano que cobria a carroça, bel fecha os olhos com medo de oque poderia ver se os abrisse então ele escuta uma voz de mulher dizendo:

   -ei criança, esta tudo bem, não precisa se assustar

Então bel abriu os olhos e viu três sombras retirando as pessoas das carroças e os corpos dos sete homens empilhados no chão.

Belphegor e os outros escravos foram levados para o subterrâneo de uma cidade, lá havia casas, lojas, existia uma cidade de baixo da cidade, lá eles foram tratados em um lugar escuro, só se via uma massa de sombras circulando os doentes e em um piscar de olhos eles estavam curados, bel depois de ser tratado saiu da sala e viu a cidade, se esquecendo de sua mãe foi correndo conhecer a cidade, andando ele viu homens dando saltos incríveis, pulando de forma sobre-humana de casa em casa, Belphegor foi correndo e escalou uma das casas onde alguns dos saltadores descachaçavam.

- wou, vocês são muito bons em saltar, podem me ensinar?

Então um dos homens respondeu:
   - uma criança não pode se tornar um dançarino das sombras tão cedo, saia daqui pirralho.

Então um homem que estava do lado dele levanta e diz:
- Não de ouvidos a esse babaca, prazer eu sou Sora, como e seu nome?
   -Belphegor...
   - e claro que posso te ensinar, mas antes você terá que provar que e hábil e furtivo, terá que saltar ate aquela próxima casa, se esconder nas sombras e pegar três caixas azuis e retornar ate aqui.

Apos dizer isso, a única coisa que ele via era o cachecol de bel balançando ao vento enquanto ele corria ate a beirada do telhado para pular então em um milagroso e lindo salto ele conseguiu-o se agarrar a beirada do telhado e subir, meia parte da missão estava completo, então ele pulou dentro da chaminé e viu um galpão cheio de caixas, então ele pegou as três caixas bem leves empilharam algumas caixas e consegui-o sair por onde entrou, ali havia mais um desafio, pular segurando as caixas, sem pensar ele pulou mais não teve tanta sorte, logo ele se via caindo do alto da casa, quase ralando o rosto na parede da casa onde os homens repousavam

   - merda e muito alto, se eu não der um jeito vou morrer

E então ele sente que algo o havia segurado, era Sora o puxando para cima da casa.

   -acho que não passei no teste
   -tudo bem, você trouxe as caixas, eu irei te ensinar.

Sora passara anos encenando ele a ser um bom ladino para depois ser treinado para ser um dançarino, aos 10 anos ele ia para sua casa escutou um estrondo, logo todos saíram, então um homem de chapéu e olhos verdes brilhantes acabara de invadir a cidade secreta e a cidade da superfície, todos os dançarinos das sombras lutaram contra os homens e seus capangas, bel notara que os olhos da maioria das pessoas estavam completamente azuis, era o olho de diamante, considerado a joia mais rara e linda do mundo, então Sora fugiu com bel ate um esconderijo,

   -bel, fique escondido
   -o que foi? Oque esta acontecendo, porque esses gritos e porque estão matando as pessoas?
   -e a Olhos verdes

Então sem explicar mais nada ele saiu correndo, bel saiu escondidos 5 minutos depois, ele se arrependera de fazer aquilo pelo resto da sua vida, ele viu o homem usar um anel, o anel liberava uma fumaça negra que engoliu Sora por completo o fazendo desaparecer, ele saiu correndo ate sua mãe e ambos fugiram da cidade secreta e da cidade superior, lá em cima havia um cenário de caos e desordem, gritos gente morrendo, mas bel só conseguia correr com sua mãe, e seus olhos havia se tornado azul, azul como o ódio que ele sentia pelo nome ''olhos verdes'‘.

Muito tempo depois dos acontecimentos na cidade subterranea , Belphegor e sua mae se mudaram para o reino de fascinaturo, esse lugar ficava no meio de quatro cidades, Belphegor tinha feito amigos e tudo parecia bem ate aquele dia.

Eu acabara de acordar, e tudo parecia bem normal, peguei minhas velhas roupas surradas para começar mais um dia, assim que fui tentar sair do meu quarto, a porta estava sendo forçada para que não abrisse, achei muito estranho, então a empurrei com força assim que a porta estava aberta lá estava a pior cena da minha vida...
Minha mãe estava morta com uma adaga negra presa a sua cabeça, rapidamente fui a ela e retirei a adaga de sua cabeça, e com um suspiro eu escutei ela dizer “socorro” fui a ultima coisa que escutei antes da minha visão escurecer completamente.

Acordei na minha sala com a minha mãe morta no chão, um dos meus amigos, John Ford segurando uma bacia de agua com Yamamoto, assim que soltei a adaga ela saiu voando então um homem vestindo verde apareceu, o nome dele era LEPRECHAUM, ele me contou quem havia matado a minha mãe, uma organização chama mão negra e nos passou a missão de destrui-la, e entregou um saco a John dizendo que ele tinha que o enterrar fora da cidade.

Saímos pela cidade ate arranjamos problemas com os guardas, fugindo deles acabamos fora da cidade tendo que entrar em um rio para escapar deles, e acidentalmente acabamos ressuscitando um deus que havia dentro do saco, o deus dos mares, Ondino ele deu um jeito nos guardas e aceitou John Ford como seu servo.

Um homem vestido de verde apareceu e explicou que deveríamos ter ressuscitado o deus da terra, então disse pro nosso grupo que deveríamos ir ate uma mansão na nossa cidade no caminho pra lá um dos membros do grupo que eu não conhecia bem ressuscitou o deus das plantas, ente.

Já dentro da mansão leprechaum nos disse que seria preciso reaver os anéis ele mentais tivemos que passar por vários testes dentro da casa, um deles foi pra conseguir o anel da prisão, da escola e do manicômio, eu consegui o da prisão e Yamamoto o da escola, então leprechaum disse que alguém novo tinha chegado para substituir o que morreu apos encontrarmos ele explicamos a missão e ele aceitou na boa.

Depois de um tempo eu conheci o lich, o portador do anel das trevas que havia me escolhido para ser seu sucessor ao anel das trevas, que havia me escolhido para ser seu sucessor ao anel das trevas, meu teste era entregar a ele a mão de um ladrão, Yamamoto era um ladrão...  Com a ajuda de um dos espíritos do anel de carceria eu arranquei a mão dele e entreguei ao lich ganhando o anel das trevas.

Yamamoto havia recebido o anel da luz, e sua mão havia se restituído sobrenaturalmente, depois de tudo saímos da casa com um dos donos, e lá fora descobrimos que se passou 176 anos depois do dia que entramos na casa, e lá descobrimos que o leprechaum queria nos matar pra pegar os anéis, mais um dos donos o impediu assassinando ele depois disso descobriu que a mão negra havia dominado a cidade com um tipo de droga, então nos invadimos a torre e eu consegui minha vingança contra um dos membros.

Moradores enfurecidos com a destruição da fabrica acabaram colocando fogo na torre nossa única forma era entrar em um espelho que nos levava a carceria, lá dentro tivemos que enfrentar e derrotar guerreiros scorn que possuíam pedras misteriosas que acabaram nos tele portando para a arena do fará um homem muito poderoso dentro de carceria, ele oferecia um premio pra quem ganhasse o torneiro, então nos entramos no torneio apostando a liberdade do deus ondino.

Vencemos muitas batalhas e revivemos a memoria do deus das trevas e encerramos uma guerra de 4100 anos entre minha deusa e seus companheiros, e então chegamos à final do torneio, onde Yamamoto traiu nosso time para se juntar aos cavaleiros da luz escute bem Yamamoto, sua traição não será perdoada.


Histórias de personagens: RARU o monge

RARU
A ovelha negra do templo

No ano de 200t D.C aproximadamente, Tenebra vivia uma guerra violenta conta o povo Manchu. Eles tendo como teoria básica de guerra a teoria de acabar primeiramente com os melhores lutadores da região para depois conseguir o território.

Os chineses já haviam perdido quase todo o seu território sobrando apenas o templo base o TEMPLO CHAULIM, que por alguns é tido como base de todas as artes marciais.

O tigre, o louva-deus, a garça, a serpente, o leopardo, o macaco, o dragão, entre outros animais e estilos foram criados por grandes mestres desse templo.

A vantagem desse templo além de seus grandes lutadores é a sua localização que torna muito complicada o caminho o ate, complicando, mas ainda os monges montaram postos pela floresta que tornavam quase impossível a passagem, além dos animais que lá viviam.

O povo Manshu liderados pelo general Yong Jing-Quo chegarão a ultrapassar aas barreiras das florestas e das montanhas invadindo o templo shaolin, causarão uma imensa devastação no templo sobrando apenas quatro grandes mestres e um mestre essa que tinha o nome de Ng Mui essa se escondeu por um bom tempo nas florestas ao redor, aperfeiçoando suas técnicas e achando um modo de lutar sem a necessidade de utilizar a força extrema, sabendo que isso lhe daria desvantagem contra um do exercito Manshu.

Um dia ao descer ao vilarejo para conseguir alimento e agua, se depois com uma cena. Um velho senhor sendo torturado por um Manshu. Ao chegar mas perto, ela percebe que era o general que liderou a destruição do templo Yong jing-Quo , que obriga o  ela resolve intervi , e desafia o general a um duelo contra a garota que desejava casar general aceita na hora sabendo que a garota não tinha nenhuma arte de combate, mas a monge pede uma condição um tempo de treino para a garota 1 mês ,o general aceita na hora pela fraqueza corporal da moça.

A monja durante esse tempo mostrou as técnicas ensinadas por seu mestre e adaptadas por ela cuja qual ela deu o Nome de Wing Chun em homenagem a seu mestre. A garota treina durante o tempo combinado e aprende a utilizar a força contra quem a aplica.

No dia ela derrota o general conseguindo o fim da invasão de sua aldeia.

Após a morte de seu pai a garota de nome Yang Yuk Ling se casa com um Manshu passivo esse que era contra a guerra Li Lei Ho fugindo da guerra vão para as montanhas do sul onde o mestre Wing Chum disse a Ng Mui que a esperaria. No tempo de viagem, Yang Yuk Ling e Ng Mui ensinam as técnicas do Wing Chum para Li Lei Ho, que já possuía uma grande habilidade para o combate, ele adaptou as técnicas para si tornando um pouco, mas forte exigindo, mas força corporal.

Yang e Li Lei tiveram dois filhos Ho Li Kong (atual Raru) e uma menina Yuk Ling. A viagem foi loga e cansativa durou quatro longos anos, mas encontraram o mestre Wing Chun em um vilarejo no extremo sul.

Um dia Wing Chum disse que iria subir o a montanha para ir ao templo supremo do sul uns os poucos que ainda estavam inteiros durante a guerra, uma semana após a saída dele, chega uma mensagem Li Lei Ho que dizia.

“A guerra acabou, mas temos um traidor que se casou com o inimigo, e esse deve morrer junto com aquela que me humilhou ao me derrotar.”

Não demorou muito para o General e seus homens chegarem ao vilarejo do extremo sul, dessa vez não era por guerra, mas por vingança, tanto que invadirão apenas a casa de Li Lei Ho. Encontrou apenas Li Lei ele iria atrasar o General para que Yang Yuk pudesse fugir com as crianças ate o templo onde esteva Wing Chum.

Li Lei consegue derrotar o General, mas não o mata , sai correndo em direção ao templo a procura de Yan Yuk e seus filhos. Ao se encontrarem percebem estarem sendo seguidos, era p General com um exercito maior, e dessa vez não teria pena nem das crianças. Os dois lutam arduamente, mas são derrotados. Li Lei e Yang Yuk são mortos na frente de seus filhos, eles também mataram Yuk Ling deixando-os pendurados nas arvores das florestas, Raru tinha seis anos e viu toda a sua família morrer severamente a sua frente. Quando iria ser morto Ng Mui conseguiu alcançar e salvar o garoto ela enfrenta o General e com muito esforço o derrota.

Muito ferida da batalha Ig Mui chega ao templo onde esta Wing Chun e entrega o garoto nas mãos de seu mestre antes de morrer.

Com tanto ódio dentro de seu coração Ho Li Kong jura vingança a todos os do povo Manshu no meio de sua fúria Wing Chum sente um ki extremamente forte dentro da criança, e acha melhor treina-lo de um modo diferente, pois esse ki pode ser o despertar de algo que ele procura há muito tempo uma técnica chamada HIESE HU LEI (O trovão do tigre negro.).

O garoto precisaria de ajuda para conter essa raiva e não deixar oque há dentro dele domina-lo.

Raru o ultimo monge das trevas (final)

No templo de Dranger o ultimo templo das trevas
 Restante, o mestre Wing Chun é morto ne frente de seu próprio discípulo. Isso faz com que o jovem monge comesse sua jornada em busca de respostas de  e soluções para como completar seu treinamento.
No caminho viu um grupo de pessoas a serem atacadas, mas agiu erroneamente ao dar a vida de uma para salvar as outras. Uniu-se a um grupo de pessoas de classes e raças diferentes com o objetivo de conter informações, descobre que o ato da morte de seu mestre possui uma ligação direta com a Mãe Negra e vê que no grupo possui um ‘discípulo’ da mesma, logo com toda sua força ele tenta ataca-lo, mas não consegue algo o interfere.

Após isso ele se apega ao grupo e vê que são seres de raças diferentes Deuses e estímulos diferentes, mas o mesmo objetivo sair de carcela assim como ele.

O grupo passou por varias provações, isso mostrou ao monge que se manter unido é a maior força quando não se pode enfrentar o inimigo. Ao encontrarem uma Deusa que pelas vidas do grupo deu a um deles uma missão, a de mostrar a todos o caminho correto e como agir.  Fazer com que o monge passasse a agir com, mas razão e não irracionalmente. Deixando o ‘amor ‘ que tinha por seu mestre subir a cabeça. Com o objetivo de aumentar sua sabedoria  e ajudar a si mesmo e ao grupo se oferece a Amiel um sábio feiticeiro como seu discípulo . Tentando usar isso para encontrar respostas de suas perguntas.

Ao entrarem no castelo do Faraó em busca do quarto do mesmo, aonde achavam haver um por tal para a saída, foram pegos por ele e usados a partir dai como gladiadores em batalhas contra outros grupos para o entretenimento do Faraó e do povo. Após alguma vitória, o fim passa a se revelar. Um ser aparece tentando matar um dos componentes de outro grupo, esse que não se importa com isso e vai à batalha nos obrigando a enfrentar o ser.

Quando Raru(monge) iria  dar o  golpe de misericórdia nesse animal, senti o poder de seu Deus e mestre Dranger contendo pela metade o seu ataque isso o deixou feliz.

Após derrotarmos o ser e salva esse tal componente, o torneio ainda não havia acabado, tinha componentes que ainda não havíamos enfrentado e apareceram nesse momento. Irado Krauser por sua afronta ao Faraó foi transformado em estatua no meio da arena.

Ao conversarmos com o que salvamos percebi que ele ere a resposta de minha procura, ao perguntar a ele onde se encontrava meu mestre ele disse.

- Morto



Então percebi, meu dever era seguir o caminho de meu mestre e me tornar um seguidor direto do Deus supremo das trevas.

Com um objetivo ainda maior no futuro, possuir não somente o templo como o defensor único e direto, mas algo muito, mas maior.

Histórias de personagens: AZAZION o demônio

AZAZION


Eu era conhecido como Nimb Aqueronte, um simples mestiço, meio humano e meio demônio.

Não sabia muito dos meus dons, minha vida espiritual, ainda jovem conheci uma família de bruxos, vampiros e algozes, me que mostraram, meu verdadeiro caminho, e o inferno, ficou pequeno para mim!

Por seguir minha natureza, me tornei conhecido, por aterrorizar um pequeno vilarejo fui pego pelos pisantes locais e enviado a um grupo de paladinos, tentaram me purificar, mas o que conseguiram foi tornar meu sangue ruim mais intenso. As tentativas dos paladinos falharam, meus amigos, ao perceberem minha demora vieram a minha procura, quando descobriram que eu havia sido pego, declararam guerra aos paladinos, neste um mês de violência eu também tive minha vida ceifada.

 - Adivinhem para onde minha alma foi!

Ao chegar no inferno me tornei servo de um sádico Conde, por 3.650 meses eu fui escravo deste demônio, com ele, me tornei algo muito pior do que imaginava que jamais seria. No dia de libertação, me foi dado o privilegio de escolher meu nome infernal, me tornei Azazion, conde do penhasco da violência. Meu senhor me deu asas negras, com elas eu poderia voar por todos os infernos e além, com as asas recebi também uma nova missão, entrar em uma prisão eterna, Carceria, resgatar meu antigo Lord, um vampiro milenar, conhecido como Dracula, Alucard, Vlad e o empalador.

Em Carceria conheci pessoas distintas, dignas de atenção e com estas, descobri o paradeiro de Alucard, ele havia escapado de Carceria, indo a um reino chamado Caen, lá havia trocado de nome novamente, agora era chamado de Orgoth.

Minha nova missão, ir para CAEN, e procurar por Immoren ocidental informações sobre meu lord, agora chamado de Orgoth.




sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Histórias de personagens: VINCENT o mago pistoleiro

Prelúdio Vincent Valentine 
Interpreta por Henrique Goes



 - Você é bem frio em alguns momentos, mas em outros você pega fogo
 - Fogo hum... Talvez...
Cloud e Vincent


Vincent um guerreiro da dimensão de Hades, também conhecido como Submundo. É para lá que vão as almas daqueles que morrem em qualquer um dos planos. As almas malignas acabam aprisionadas, onde devem passar a eternidade se arrependendo de seus pecados. Já as almas boas vivem livremente, aguardando pela sua reencarnação, ao lado dos nativos da dimensão, os seres conhecidos como Haros.

Vincet faz parte de uma família da tribo dos Haros, cujos membros sempre atuaram como guardiões do Submundo. Quando ainda era criança, seu pai era um famoso Caçador de Recompensas, os guerreiros responsáveis por deter os seres sombrios que por ventura consigam escapar de Hades. Para Vincent, ele era o maior herói do mundo e o modelo no qual espelhava todos os seus sonhos.

Contudo, esses sonhos foram destruídos tragicamente quando, durante uma missão que o levou ao mundo de Immoen seu pai acabou se envolvendo com uma humana e abandonando Vincet por conta própria, nunca mais regressando a Hades. Isso traumatizou profundamente o garoto e fez com que Vincet crescesse para se tornar um jovem cínico e amargurado, incapaz de confiar novamente em outras pessoas. Por isso, ele não acredita em amizade e detesta que tentem se aproximar dele, preferindo sempre agir sozinho a depender dos outros. Para Vincent, a única pessoa em que ele pode confiar é em si mesmo.

Após tal trauma ele decidiu se tornar o Novo maior caçador de recompensas do mundo. Os Caçadores de Recompensas são os guerreiros de Hades responsáveis por perseguir os espíritos malignos que consigam escapar da prisão do Submundo. Estes guerreiros possuem habilidades especiais, capazes de enviar os fugitivos de volta para o Submundo, ou mesmo exorcizá-los permanentemente, dependendo da situação.

Entre os Caçadores de Recompensas mais famosos de Hades se encontrava o pai de Vincent. Entretanto, enquanto para os Haros ele ainda é visto como um herói, para Vincent ele é uma pessoa detestável, que o ensinou o significado da palavra traição ao abandoná-lo à própria sorte. Vincent nunca perdoou o pai por isso e passou a odiá-lo ainda mais quando descobriu que ele teve outro filho, Joey, um mestiço, com a mortal com quem ele ficou em Immoren.

Vincent chegou a ir atrás desse mestiço apenas para encontrá-lo aprisionado como uma aberração numa espécie de circo. Enojado diante da criatura fraca e patética que era seu meio-irmão, Vincent o abandonou à própria sorte, sem saber que Joey na verdade tinha arquitetado tudo para que Vincent não tivesse interesse nele.

Para apagar de uma vez por todas qualquer memória a respeito do pai, Vincent decidiu se tornar um Caçador de Recompensas ainda mais famoso e popular do que ele, tomando para si a posição e o status que uma vez foram de seu progenitor. Armado com suas pistolas Cerberus, Vincent passou a ir atrás dos contratos mais perigosos, perseguindo os espíritos malignos mais poderosos que podia encontrar. Essa obsessão acabou o levando de volta ao mundo de Immoren, quando o diabólico espírito de Zidler e seu Circo dos Pesadelos escaparam do Submundo.

Enquanto perseguia as criaturas do Circo, Vincent finalmente compreendeu que, quando elas ainda eram vivas, haviam sido mortas pelo poder da “Chama Azul”, uma energia mística que era característica do seu pai. Determinado a encontrar a fonte daquele poder, qual não foi a surpresa de Vincent ao descobrir que o responsável não era seu pai, mas na verdade seu meio-irmão, agora bem mais poderoso do que quando o viu pela última vez. E pelo visto ele tinha conseguido sair do Circo e provavelmente tinha sido treinado por alguém.

Enquanto estava tentando voltar para o mundo de Hades, Vincent entrou dentro de um espelho e foi parar dentro de uma dimensão chamada Carceria, um lugar que em pouco tempo ele descobriu que era chamada de "Plano Prisão dos Deuses" O que deixou ele extremamente raivoso com tudo aquilo. Em pouco tempo naquela dimensão hostil ele aprendeu a se tornar um Rastreador e com isso foi capaz de aprender a invocar uma Espada espiritual usada a muito tempo atrás por seu pai, mas aquela espada estava incompleta e assim isso o impossibilitou de fazer a total transição de um Caçador de Recompensas para um Caçador de Recompensas Rastreador.

Dentre essas andanças ele conheceu um grupo de pessoas que também entraram pelo mesmo espelho que ele e estavam lá, mesmo desconfiado ele os seguiu para ver no que dava, no começo foi bem sínico e apenas estava se aproveitando deles, mas no momento em que quase morreu quando uma "Deusa" Chamada Lot desceu até onde eles estavam e quase os mataram. Por medo de morrer sem terminar seu objetivo de vida ele invocou o poder de uma Deusa chamada Cyriss, a Deusa que ele havia conhecido quando passava por Immoren, a Deusa respondeu e o salvou e disse que ele precisava ajudar os outros a evoluir.

Depois que tudo acabou ele recebeu uma grande missão junto de sua equipe; Vencer o torneio e sair de Carceria. Na primeira luta que ele não lutou, o seu companheiro Amiel havia pego o anel do fogo e colocou no dedo junto ao da Metamagia, o que criou um colapso, e para não haver mais problemas ele virou o portador do anel do fogo.

Logo depois quando estreio em sua primeiro luta, ele lutou contra Ace, o homem de fogo que carregava consigo duas pistolas que o deixou muito confuso, elas se chamavam Scarlets, duas pistolas douradas que apenas o melhor caçador de Hades poderia usar-las. E após matar-lo ele virou o novo portador dela.

Após tudo isso, seu grupo Umbral e Varia se juntaram e começaram a lutar para vencer o torneio mais rápido. Varia lutou contra os Ninjas e nós contra os Anjos e demônios, o meio da sanguinária luta o Dragão negro levou Kawabara para sombras removendo o selo dele e trazendo consigo um Verme gigante que atacou um Deus da Morte.

Quando todos voltaram a vida para poder matar o Verme, nisso Vincent retornou a vida e sentiu algo o chamando atenção e foi até la ver, nesse momento ele se tocou que aquela era a verdadeira Espada Espiritual idêntica a de seu pai, ele a pegou de um morto chamado Hiei, a espada o aceitou sem menores problemas. Após voltar ao quarto com o Deus da morte vivo, ele descobriu que na verdade ele era o Deus das Trevas, e após um breve diálogo o Deus das Trevas decidiu quebrar o Anel do fogo de Vincent fazendo toda aquela essência entrar dentro de seu corpo o fazendo se tornar apenas um com o Anel.


Agora Vincent só pensa em matar os últimos inimigos em Carceria, voltar para as terras de Hades e mostrar a todos sua grande aventura na esperança de se mostrar muito superior a seu pai. E agora com duas fases concluídas que era ter a Scarlet e a Espada Espiritual, só falta a ele conseguir os últimos 2 tesouros Raptura que é uma escopeta e Juiz das Almas que é uma Mini-Gun de mão. O que será do futuro dele agora? Nem Hades sabe.

Histórias de personagens: KRAUSER o ladino da mão negra

Krauser Orihara por Joalison interpretado por Henrique

Krauser; Se apresentando .

"Um Humano, um Halfling, um Dragão...
O que sou não, sei o que tenho apenas meus amigos"

O universo entrou na idade das trevas quando o próprio deus sombrio decidiu viver uma experiência humana, sua saída deu oportunidade do caos reinar, fugindo deste caos, o rei dragão das sombras encontrou em Immoren Ocidental o seu refugio, no pequenino ovo de um dragão radiante, quando este chocou seu filhote guardava dentro de seu interior uma imensidade de sombras e estas mudaram de tal forma  sua própria fisiologia que ele caiu das nuvens e ficou perdido pelos pântanos da cidade de Corvis.

Adotado por uma Halfling, Krauser nunca desconfiou da fisiologia diferente de sua família, sempre se sentiu amado e amou sua família adotiva. Em um cruel golpe do destino Krauser perde toda sua família, quando na chegada do bizarro Barão Vladmir Harkonnem escolhe como prato principal a doce carne dos halflings e arcreditando que Krauser fosse um halfling gigante passa a caça-lo.

Amiel, amigo de Krauser e que também teve sua família dizimada com a chegado do barão, Amiel desenvolveu dons místicos e Krauser teve de sobreviver pelas ruas de Corvis, como uma ladrão e depois para sobreviver como um ladrão teve de se tornar um assassino, oferecendo sua lealdade para a mãe negra que o acolheu como um filho.
Krauser passou a viver bem, como um assassino se tornou um homem rico, trabalhando para comerciantes e políticos, trabalho após trabalho ele se tornou uma pessoa fria e distante de sua humanidade, esta só era readquirida ao encontrar Samuel, seu amigo padre, que mesmo sabendo de suas atividades sempre o tratou como irmão, pai e conselheiro, este e Amiel eram os únicos amigos que Krauser possuía.
Após um trágico incidente, Corvis foi atacada  por um exercito de mortos vivos, a cidade foi devastada, e Krauser foi em busca de seu amigo Amiel, que devido a fragilidade de seu corpo seria facilmente morto pelos zumbis, ao chegar no quarto deste, a única coisa intacta era um gigantesco espelho cuja moldura era feita de ouro. Ao tocar nesta moldura Krauser foi sugado por um portal que o levou a CARCERIA, a prisão eterna.
Em Carceria Krauser encontrou Amiel, e em um torneio foi responsável pela morte de seu amigo Samuel, ainda neste torneio sua equipe foi atacada por um verme das trevas, enviado pelo Deus das Bestas, nesta batalha Krauser descobriu a reencarnação de Kelthan, Deus supremo das trevas. Com medo do que poderia acontecer o rei dragão sombrio saiu do corpo de Krauser liberando do domínio das trevas e permitindo que ele se torna-se novamente um ser radiante.


Apos ver oque tinha feito perceber seus atos decidiu se redimir com o universo Indo ao caminho da luz, Krauser decidiu dedicar a sua vida a liberdade de todos os oprimidos, ascendendo junto a Morrow em sua nobre causa, nã importando espécie, raça ou povo, todos seriam livres. Krauser iria retirar as correntes que prendiam os bons e justos.


Um dragão da luz, assassino de opressores, preso em seu passado de magoas fadado a libertar e ser livre junto a todos que ajudar.
Krauser deixa seu recado aos povos.

 -          Sejam livres de tudo.

Histórias de personagens: DMITRI o Cavaleiro Exemplar

­­­­­­­­­História de Dmitri, por Carlos Phelipe:
interpretado por Henrique Góes.

-           Sou Dmitri, não sei bem o que dizer, nem por onde começar, de minha historia, boa parte do que sei me foi dito e essa é a historia da minha vida.

Fui encontrado em um vale límpido, havia um lago, de águas claras onde se viam os peixes, de todos os tamanhos e cores formando uma pintura exótica e esplendorosa. Era uma criança feliz, divertindo se entre as folhagens dos pastos e das cerejeiras e em baixo de uma destas fui encontrado por Rorschach, paladino da ordem de Menoth, da região do protetorado em Immorem Ocidental, continente conhecido de Caen.

Espantado com o encontro, Rorschach agradeceu a Menoth pela confiança de achar aquela criança perdida, limpou meu rosto nas aguas do lago me batizando.

 -          Ó Menoth, em plena caça as bruxas que sujam este mundo, coloca diante de mim um refugiado desta guerra, um herege, filho do fogo e das cinzas, o que seria deste se fosse encontrado por outro de nossa ordem, outros cavalheiros não acietariam a vida de um herege, mas eu enxergo seu afeto ó Menoth. O que deseja é a purificação desta alma? 

-            Com minha vontade senhor, eu irei purifica-lo, não haverá mais um herege no mundo esse jovem será grandioso e um dia, um dia, será o responsável pelo extermínio de todas as bruxas.

Fui levado ao templo de Menoth, para cumprir sua vontade ou para satisfazer as alucinações de um fiel seguidor naquele dia meu destino foi traçado, crescendo entre paladinos e clérigos me tornei um dos mais devotos seguidores de Menoth, colocando minha fé acima de tudo e de todos.

Assim, deixei de lado minha humanidade para assumir uma convicção cega ao Deus que me salvou no passado. Na batalha, eu era implacável, enquanto outros paladinos se protegiam mutuamente eu desprezava a amizade, companheirismo e o afeto, erguendo minha espada em nome de uma fé cega, que nunca questionava o quanto realmente Menoth se importava com seus súditos.

No dia em que me tornei um cavaleiro exemplar, Rorschach orgulhoso me levou ao templo de Goron, onde fiz meu voto de obediência cega e recebi a mais importante missão, matar e purificar Alexia, refugiada da queima das bruxas, portadora do dom da necromancia e profanadora das terras de Menoth. Ao receber a missão não pensi em mais nada, ela tinha de ser executada em honra a Menoth.

Mas hoje, após presenciar coisas impossíveis, conhecer novas terras, povos e até Deuses, percebo que na minha vida nunca fiz nada por escolha própria, meu companheiros faleceram, pois eu não os protegi, meu irmão de fé, meu verdadeiro salvador deu sua vida para que a missão fosse cumprida e isso me despertou.

As pessoas faziam mais uma pelas outras do que o próprio Menoth sempre fez, eles se protegiam, se ajudavam, davam importância aos sofredores a sua volta, companheirismo e lealdade eram mais importante que ideologias.
Menoth não me protegeu enquanto eu estava na prisão drow servindo de alimento e depois regenerado numa tortura eterna, virando comida para aquela raça desprezível, que mesmo eles, valorizavam o companheirismo.

As pessoas e mesmo meus companheiros, morreram protegendo aquilo que achavam ser a paz e as pessoas que Alexia havia ressucitado, eram almas atormentadas.

Meu tormento cresceu, a cada companheiro morto minha alma era imundada por um fogo de revolta, foi num destes momentos em que vi Rorschach cair de seu cavalo e a lança do nosso inimigo atravessando seu corpo que imediatamente caiu, quando seus olhos voltaram para mim eu não pude fazer nada. Alexia, minha vitia, fugia, auxilida por um dragao demoníaco, perdi meus companheiros sem poder prestas nenhum auxilio a ees, numa guerra que não era minha, numa caçada há alguém que na guerra contra a bruxaria também havia se tornado órfão.

 -          Fico pensando, se fosse eu criado por bruxas e Alexia por Rorschach, ela seria a caçadora e eu a caça, Menoth nunca fez nada pelos oprimidos e pelos filhos da guerra, por isso AGORA... TENHO A OPORTUNIDADE DE FALAR ISTO POR TODOS OS MEUS COMPANHEIROS:

- "MENOTH, prefiro ficar ao lado daqueles que me salvaram enquanto você não fez nada do que ficar ao lado de um Deus que preza a sua "Paz" sem seus homens, somos apenas fantoches para você?! Prefiro matar Alexia ao deixar você nascer!"

E agora, após uma escuridão profunda, acordo com Sheeva apontando para Vincent e então sinto que meu sorriso aumentou como sorriso de quando eu era um bebê e ria de Rorschach que limpava meu rosto, agora a amizade é maior do que qualquer Deus que exista e quero que o mundo continue assim, as palavras de Drauser me comoveram, aquela história de salvar pessoas de diversas raças, gostei disto! 



Olho para meus braços e minha armadura esta negra, mas minha consciência esta tão limpa, tão clara como aquela água...

Ah, meu sorriso realmente aumentou, estou sentido ele próximo as orelhas e meus cabelos agora tocam os pés e minha espada, aquela falsa luz de esperança vinda de Menoth se esvaiu e agora é outra. Bom, tudo que fizeram por mim amigos... irmãos! Não sera em vão.

E aquela... ou aquele homem... mulher vestida de rosa controlada por Menoth pagará pelos teus atos e irei mais do que Ostracizar a própria alma dela para Menoth sentir o que ele criou, ou melhor... o que Rorschach elevou, esse Algoz do que me tornei hoje e agora me denomino como Zé Dmitri Rorschach.

GET READY FOR THE NEXT BATTLE!



segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Para iniciar uma nova campanha assisti um episódio do Shaka de Virgem com buda (http://www.youtube.com/watch?v=SXyH4-AZ2mM), foi inspirador, e este foi o resultado "A queda do Reino das trevas".


 - Kelthan... Keltha...
Por que olha seu reino com tristeza?
Vejo, dia após dia, numa cronologia humana, você contempla seu reino com tristeza em sua alma, porque?
O que pode perturbar um Deus assim?
 - Mais uma vez vi o reino de trevas e sombras se expandir, um novo mundo surge e eu espelho sua matéria nesta dimensão de sombras.
Vejo, um mundo novo de possibilidades, mas estamos presos, a repetir nosso padrão, meus piratas levam a escuridão aos homens, estes evoluem com medo de serem dominados... E nós, não existe evolução em nosso reino, vejo meus seguidores apunhalando uns aos outros pelas costas, não há mudança, só existe morte e sofrimento, percebo que eu, sou escravo deste padrão...
 - Kelthan, isto te deixa decepcionado?
 - Sim, me decepciono comigo, cada vez que deixo de evoluir, meu povo sofre por mil anos, o tempo para mim passa de forma diferente, só existe sofrimento em meu reino e, nada disso muda, nunca...
                Eu ofereço a eles somente uma vida de agonia... do mais fraco ao mais forte e isso nunca muda.
 - Kelthan, isso não deveria ser assim...
                Onde há agonia também deve haver felicidade, o oposto também é verdade.
                Mas tudo em seu reino se torna permanente, a vida é igual todos os dias, você esta certo não existe mudança.
 - Fenrir, meu reino é conhecido por ser um reino em eterna mudança, sempre se expandindo, sempre se alterando, o mundo espiritual é inalterável desde sempre, seu reino esta estagnado.
                Fenrir, mas mesmo assim os seres nele vivem em eterna evolução, porque isso não ocorre aqui?
 - Kelthan, seu mundo não esta em eterna mudança, seu mundo foge do centro, ele foge de você!
Pois ele teme ficar estagnado, você é assim, a vida de um humano comparada a sua consciência é um mero piscar de olhos…
Neste curto tempo, um humano ri, chora, luta, é ferido, se regozija, se entristece, odeia alguém, ama alguém…
Ao criar as sombras você as colocou nunca condição de estagnação, hoje, este é o resultado, resultado da condição de sua alma...

 - Fenrir, eu contaminei tudo a minha volta, não desejo este destino a meu reino...

 - Kelthan, você se afastou das necessidades de seu povo...

 - Fenrir eu preciso reparar meu erro...

 - Kelthan, você precisa aprender que as mudanças devem ocorrer no tempo de vida de um ser humano...

 - Aprender que as mudanças devem ser observadas até  pelos humanos...

 - Kelthan, você precisa vivenciar a existência humana...

 - Fenrir, eu preciso morrer.



Link para Versão PDf com imagens

 

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Criatividade dos jogadores, trabalho para o narrador.


Um dos benefícios do RPG, é permitir aos seus jogadores a oportunidade de criar novos enredos, contextos e até itens que funcionem como ego auxiliar. Neste tópico surgiu numa mesa sessão no colégio Prof. Giulio David Leone, a solicitação vivenciar o anime e mangá Katekyō Hitman Reborn.


Katekyō Hitman Reborn conta a história de Sawada Tsunayoshi, chamado por seus amigos apenas de Tsuna. Conhecido na sua escola como o "bom-em-nada-Tsuna" Por sua falta de habilidade nos estudos e nos esportes. Tsuna está em seu primeiro ano no colegial e é apaixonado por sua colega de classe: Sasagawa Kyoko. Certo dia em sua casa Tsuna recebe um estranho bebê, chamado Reborn, que se auto intitula um hitman e diz ser seu professor particular para que se torne o próximo líder da Família Vongola, uma poderosa família da máfia Italiana. Desde então, Tsuna, junto de Reborn e seus amigos, encara desafios e perigos enquanto é treinado para se tornar um bom mafioso. Fonte: wikipedia  21h28min de 6 de outubro de 2013.


Os participantes, escolares do ensino fundamental desejavam conquistar o direito de utilizar os anéis mágicos para enfrentarem os desafios encontrados ao longo da jornada do herói. Numa adaptação ao enredo escolhido por eles e com ajuda de publicações antigas de RG nacional, criei os anéis, e para consulta disponibilizarei alguns deles aqui no blog. Vejam as adaptações.


Os dons dos anéis estão separados em três categorias e alcançam um total de 12 níveis, concomitantes com o avanço dos personagens, não sendo conhecidos dons acima do nível 12.

Fogo Totem da Salamandra
Água Totem da Ondina
Terra Totem do Golem
Ar Totem do Sylpho
Luz Totem dos Anjos
Trevas Totem dos Anjos Caídos


















sábado, 24 de agosto de 2013

Caverna do Dragão, meu novo começo.

Já assistiu algum filme com muitos efeitos especiais, explosões e dragões, visão esplêndida do planeta terra, guerra entre dois exércitos medievais na visão de um pássaro voando entre espadadas e escudos, bem, tudo isso, acontece principalmente quando a historia não é boa.
Longe de mim dizer que não me apaixonei pela guerra entre exércitos no Senhor dos Anéis e em Nárnia, mas que as vezes, os contos de fadas também nos deixam apaixonados, e neste caso, não é pela cena na telona, mas sim pela imaginação da cena em nossas cabeças, quando deixamos a emoção guiar nossa imaginação.
Com uma narrativa simples, como deveria de ser, este final para o clássico de nossas infâncias, “Caverna do Dragão”, resgatou o prazer de completar as lacunas propositais da historia com nossa imaginação e emoção, depositando um pouco mais de nossa alma naquilo que lemos e vemos. Foi um prazer, ouvir a voz dos dubladores por tanto tempo e hoje, me deliciar com os gráficos dos artistas, que conseguiram manter viva a fantasia, dos conflitos entre estes jovens, da busca pela liberdade e pelo retorno ao lar.
O ultimo episódio então termina assim, no suspense, com o emocionante retorno do filho perdido e sem sabermos, ainda bem, se eles decidiram voltar para casa ou não.
Fico aliviado, posso continuar imaginando eternamente, as duas decisões, ficar ou voltar, com a Uni e todos os dilemas que a escolha oferece, no prazer e na dor de cada decisão, nas duas só uma certeza, a aventura não terminou. Jogadores se preparem, foi bom lembrar que o que é mais simples pode ser o mais empolgante... rs HTGG

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

E que os Posts Comecem!

Saudações, Galera!

Este é o nosso primeiro post no Blog do Projeto RPG & Cultura, e nada mais justo do que começarmos falando sobre o próprio projeto. Não falarei aqui sobre de onde viemos ou quem somos, pra isso existem as outras páginas na guia superior. Falarei aqui sobre as nossas próximas ações, e a mais urgente recente é a parceria com o CineClube da Comunidade, para exibição de filmes com temas "RPGisticos". Um deles é o Sucker Punch: Mundo Surreal, do diretor Zack Snyder (300, Wachmen, A Lenda dos Guardiões), que exibiremos daqui há meia hora!

Mas não se alarmem! Haverá outra exibição amanhã (24 de agosto), no mesmo horário, e mesmo que não possa comparecer em nenhuma delas, estas serão as primeiras sessões de muitas!

E caso tenha interesse em realizar exibições de outros filmes, procure-nos para saber as possibilidades e procedimentos!